Lockdown/confinamento em Belo Borizonte/BR.Não é uma mera coincidência. Imagem.Correio Brasiliense.

A grande imprensa internacional, e principalmente a brasileira, está cada vez mais contaminada pelo vírus ideológico. Poucos profissionais ainda conseguem se manter independentes e respeitar diferentes pontos de vista.

O Two Flags Post na sua busca incessante por fontes confiáveis e independentes, traz hoje matéria publicada pelo The Epoch Times, sobre políticas de combate a Pandemia que usam o pânico moral como instrumento de persuasão. Trata-se de trechos do livro “COVID-19: A política de uma pandemia de pânico moral, escrito por dois especialistas, Barry Cooper, PhD em Ciência Política e Marco Navarro-Génie, PhD em Ciência Pública, que atuam no Canadá.

Importante salientar que qualquer similaridade com o que ocorre no Brasil e em inúmeros outros países, não é mera coincidência, desfrute dos destaques aqui colocados  e entenda de que forma estão atingindo o Canadá e se extende para o Brasil e  para o resto do mundo, tire suas próprias conclusões…

PONTOS DE VISTA

 Trecho do livro

 8 de janeiro de 2021 Atualizado: 8 de janeiro de 2021

Barry Cooper
Image: The Epoch Times
Marco Navarro-Génie
Image: The Epoch Times

O custo econômico de forçar quase 3,3 milhões de canadenses ao desemprego até maio de 2020 foi enorme e ainda não foi contabilizado por completo. Embora indivíduos e empresas tenham recebido alguma forma de ajuda de seus governos, muitas empresas não serão capazes de se recuperar de suas perdas e muitas das que o fazem não sobreviverão por muito tempo.

O efeito corruptor do subsídio também está sendo sentido fora da esfera econômica, com muitos agora pressionando para que o bloqueio continue, seja porque vivem com medo de serem infectados pelo vírus ou porque os subsídios tornaram mais desejável permanecer em casa do que trabalhar. Como escreveu Félix Leclerc na década de 1950: “A melhor maneira de matar um homem é pagá-lo para não fazer nada”.

Em março de 2020, a economia canadense encolheu 7,2%, mas as paralisações da pandemia não começaram até meados do mês. Em abril, a economia se contraiu 11,6 por cento, a queda mais profunda já registrada. Cerca de um terço da força de trabalho permanece subutilizada até o outono de 2020, seja como resultado do maior desemprego desde a recessão de 2009, ou como resultado de cerca de um milhão de pessoas pararem de procurar trabalho.

Na maior parte do setor privado, a atividade econômica encolheu em valores recordes. Em março, a manufatura caiu 22,5%, a construção civil caiu 22,9%, o varejo e a hotelaria caíram 42% e o transporte caiu impressionantes 93,7%. No Canadá Atlântico, por exemplo, os governos de Newfoundland and Labrador, Prince Edward Island, Nova Scotia e New Brunswick optaram por estabelecer uma “bolha” regional. As regras permitem viagens interregionais, mas dificultam a entrada e saída de pessoas “de fora”. Como resultado, os aeroportos perderam 92% de seu tráfego de verão. A decisão da bolha fez com que a região perdesse mais de cinco milhões de visitantes, renunciando à maior parte dos US $ 140 milhões em receita de seus aeroportos. Os números do Canadá mostram que, entre abril e junho, o PIB anualizado caiu 38,7%. No verão, o déficit era de 16% do PIB, o maior do G7.

Os subsídios do governo para indivíduos e empresas constituem o tipo de ajuda que dói. Isso prejudica as pessoas psicológica e economicamente, mas os subsídios monetários que a maioria das pessoas recebeu ficaram aquém de suas perdas efetivas, tanto para empresas quanto para indivíduos. Essas perdas, novamente, foram induzidas por políticas, e seus efeitos diretos serão sentidos nos próximos anos. Além disso, o governo do Canadá pagava diretamente aos seus cidadãos, enquanto os americanos dependiam das empresas para canalizar dinheiro para os cidadãos, o que tinha o efeito de manter o vínculo monetário entre empresas e empregados. A diferença foi significativa na medida em que pagamentos diretos simples a cidadãos canadenses foram compensados ​​por atrasos de pagamento complexos e empréstimos a empresas.

Philip Cross sugeriu que a abordagem escolhida, expressa a suspeita típica dos recentes governos liberais em relação aos negócios no Canadá. Obviamente, isso contrastava com a atitude americana, mas, mais importante, garantiu que a reabertura da economia canadense demoraria mais e seria acompanhada por uma hesitação muito maior do que nos Estados Unidos. O Conference Board of Canada chegou a uma conclusão relacionada sobre o estado da economia: “O que percebemos é que a economia estará operando bem abaixo dos níveis (pré-pandemia)” por algum tempo. Resumindo, as coisas estão piores do que o esperado originalmente. Além disso, a enorme dívida que as províncias e o governo federal contraíram como resultado da decisão de bloqueio pesará muito nas próximas gerações.

Nenhuma expressão poderia descrever melhor a desconexão entre os terríveis efeitos das decisões políticas e as realidades econômicas que os canadenses terão que enfrentar no futuro do que a crença do primeiro-ministro de que seu governo havia aliviado o fardo da responsabilidade econômica dos cidadãos canadenses; ele declarou que seu governo havia assumido uma dívida maciça para que os canadenses não precisassem fazê-lo. Sejamos francos: isso é um absurdo.

Em Alberta, onde vivem os autores, e onde já existia uma recessão (em 2019, a economia, contraiu 0,6 por cento quando o crescimento médio do país era de 1,7 por cento), os efeitos antecipados do COVID-19 prometem ser devastadores.

Para piorar as coisas, a economia de Alberta sofreu dois golpes críticos antes e durante a pandemia. O excesso de petróleo no mercado produzido por uma guerra de preços entre a Rússia e a Arábia Saudita reduziu os preços a níveis que colocaram os produtores canadenses em crise de caixa, gerando novas rodadas de perda de empregos na província. Além disso, como é bem sabido, Alberta foi sitiada durante anos por um embargo de política federal contra o desenvolvimento de seus recursos de hidrocarbonetos. A província foi por algum tempo economicamente sufocada pela aplicação do governo canadense de padrões impossíveis a projetos que nunca seriam impostos a outras indústrias – e, em alguns casos, nem mesmo são impostos aos mesmos ou indústrias semelhantes em outras províncias.

Simultaneamente, Ottawa, tendo sido encorajada por ecorradicais e províncias irmãs menos que amigáveis, bloqueou esforços tanto no leste quanto no oeste para construir mais capacidade de enviar recursos de Alberta ao mercado. Alberta então recebeu ordens de Edmonton para bloquear em 17 de março de 2020, adicionando uma camada extra para prejudicar ainda mais sua atividade econômica.

Robert Roach, diretor de economia e pesquisa do Tesouro de Alberta, observou que as coisas em Alberta estão atualmente em uma situação “brutal”, apontando que “este será um ano de profunda recessão”. A profundidade da brutalidade que Roach descreveu em junho é o resultado da confluência desses obstáculos econômicos e políticos que a província enfrenta. Em meados de setembro, a situação na província continuou a se deteriorar por causa das consequências do bloqueio, que foram mais graves do que no resto do país. “O efeito persistente do COVID-19 continua a ser sentido com mais força em Alberta”, escreve o jornalista veterano Bill Kaufmann, “com 53% da vida financeira dos residentes ainda prejudicada”, enquanto o valor equivalente para o resto do país é 10 pontos mais baixo. Da mesma forma, 20 por cento dos habitantes de Alberta estão lutando contra a redução das horas de trabalho, onde o equivalente é 15 por cento no resto do país.

Copyright Frontier Center for Public Policy com permissão dos autores. Trecho de “COVID-19: The Politics of a Pandemic Moral Panic.”

Barry Cooper, PhD, é professor de ciências políticas na Universidade de Calgary. Marco Navarro-Génie, PhD, é pesquisador sênior do Frontier Center for Public Policy e presidente do Haultain Research Institute.

As opiniões expressas neste artigo são opiniões dos autores e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

(*) In The Epoch Times

Obs; Leia publicação também no original.