Dr. Domingo Braile Photo Diário da Região de São José do Rio Preto

Um dos mais importantes cardiologistas do Brasil, o médico cirurgião Domingo Braile, faleceu neste domingo,22,em Rio Preto. Ele tinha 81 anos e estava em casa, onde tratava um quadro de pneumonia. Não haverá velório e a família solicita que cada um dos amigos eleve suas orações a Deus de suas próprias casas.

Acamado há mais de 3 anos por sequelas de cirurgia na coluna vertebral, o cirurgião lutava contra mais uma pneumonia que, em seu caso, eram recorrentes. O pioneiro da cirurgia cardíaca no interior do Brasil, fundador da Braile Biomédica e do Instituto Domingo Braile deixa a esposa Maria Cecilia Braga Braile, as filhas Patricia Braile Verdi e Valéria Braile Sternieri, os genros Luis Antônio Verdi e Walter Sternieri Jr e os netos Rafael, Sofia, Giovanni e Luiza.

Nascido em Nova Aliança (SP), no dia 8 de abril de 1938, iniciou sua carreira médica quando ingressou, em 1957, na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Em 1967 liderou o grupo que criou o Instituto de Moléstias Cardiovasculares (IMC) em São José do Rio Preto, onde ficou por 25 anos trabalhando como cirurgião cardíaco.

No ano de 1977, ele fundou a Braile Biomédica que se tornou um centro de referência na indústria médica brasileira. Construída com o objetivo de viabilizar a cirurgia cardíaca para toda a população, a empresa atuou no desenvolvimento e produção de válvulas biológicas e enxertos de pericárdio bovino, produtos pioneiros no Brasil.

“Me dediquei de coração a Rio Preto. Sem intenções políticas, sem interesses particulares. Apenas pus meu coração aqui e lutei forte para que coisas boas acontecessem em nossa cidade. Sempre afirmei que as pessoas vão gostar de morar onde há bons empregos, desenvolvimento e consequentemente, boa qualidade de vida”, disse Braile em entrevista à revista Vida & Arte, do Diário da Região.

In – Diário da Região – São José do Rio Preto/SP/BR 03.22.2020