Alguns cientistas estão seguindo um campo revolucionário da ciência que mostra que a energia da consciência é tão importante na formação da vida na Terra quanto o DNA e a química. E que os pensamentos influenciam a saúde. Entre esses cientistas destaca-se o Dr. Bruce Lipton, biólogo celular que já trabalhou com cultura celular e publicou recentemente o livro: A Biologia da crença The Biology of Belief.

A  epigenética é a área da biologia que estuda mudanças no funcionamento de um gene que são causadas por alterações no DNA e que se perpetuam em divisões celulares meióticas ou mitóticas.

Esse cientista procura demonstrar que o que condiciona o organismo são suas crenças e o ambiente físico e energético com que ele vive. Lipton declara que o ser humano pode controlar seu estado de saúde ou de doença, pois a epigenética estuda no cérebro o desenvolvimento, envelhecimento e a regulação dos neurônios.

Em seus estudos relata que a percepção que temos de determinadas situações e as crenças que possuímos é que realmente vão controlar a saúde ou a doença. O ambiente, nossos pensamentos e emoções, controlam as características de cada célula e isso vem sendo explicado pela física quântica que procura revelar como funciona a “mente agindo sobre a matéria” e que existe uma tendência natural em direção à harmonia. Considera que o efeito placebo, frequentemente dispensado, é realmente a ferramenta de cura poderosa. Com o recente mapeamento do genoma humano, ficou claro que existem aspectos importantes da vida que desafiam os modelos tradicionais de evolução.

A epigenética altera radicalmente o modo como entendemos a vida na Terra e como escolhemos viver. A genética, tão valorizada pelo evolucionismo, torna o ser humano escravo de sua carga genética. Este ramo da epigenética demonstra que não somos vítimas de nossa carga genética pois as doenças transmitidas de geração em geração equivalem somente a 2% dos males que atingem os seres humanos.

Afirmava-se que um único gene seria o responsável pela transmissão de doenças como diabete, problemas cardíacos ou câncer. O que esses cientistas da epigenética afirmam é que essas doenças são desencadeadas pela interação de genes, de fatores ambientais, de pensamentos e das crenças.

Este novo ramo da ciência demonstra que o corpo responde muito bem aos postulados da física quântica e valoriza a homeopatia e a antroposofia. A energia que se encontra dentro do átomo é transmitida quando pensamos. Dessa forma, o pensamento age sobre as células do organismo, provocando reações químicas que vão alterar o estado saudável ou doente de um indivíduo.

O mesmo acontece com a crença de um estado de saúde, que poderia enviar sinais capazes de direcionar o organismo  para a cura. Ouve-se, não raramente, sobre o poder da palavra do médico. Quando este afirma que seu paciente vai melhorar isso acontece, principalmente quando existe uma relação de confiança. Ao contrário, se o profissional for frio e distante e disser que são poucas as chances de cura, o desanimo tomará conta do paciente que irá sofrer mais e provavelmente não sobreviverá.

O século XXI mostra-se cada vez mais fantástico ao abrir novas fronteiras cientificas, sobremaneira na medicina.