A Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo –  FAPESP – divulgou recentemente alguns avanços que precisam estar ao alcance de todos, assim destacamos:

Obesidade X Doença cardiovascular;

Trabalho realizado na Inglaterra por pesquisadores da UNESP em colaboração com a OXFORD BROOKES UNIVERSITY, demonstra  que pessoas fisicamente ativas e sem sobrepeso, mas com valores cintura-estatura próximos a um limiar de risco tem maior probabilidade de desenvolver distúrbios do coração, comparadas com pessoas com menores valores RCE

A relação entre cintura e estatura pode indicar risco de doença cardiovascular mesmo em pessoas saudáveis.

RCEé um numero obtido pela divisão da circunferência da cintura, pelo da estatura e fornece informações mais precisas do que o índice de massa corporal IMC, que avalia a distribuição de gordurapelo corpo.

Pacientes com RCE  menor do que 0,50 estão abaixo do limiar de risco, ao contrário dos que estão acima desse limite.

O artigo esta publicado em www.nature.com/articles/s41598-018-34246-5.

Pneumonia X Gripe

 Geralmente uma pneumonia surge após uma gripe, e as mortes associadas à gripe estão mais ligadas à pneumonia que segue a gripe do que a gripe em si.

Esta relação teve recentemente seus mecanismos genéticos e celulares chaves esclarecidos em artigo que descreve o que controla a proliferação e o transporte do agente da pneumonia do nariz para o pulmão do paciente.

A inflamação causada pelo vírus da gripe prejudica a resposta imune inata no controle do pneumococo, principalmente a ação dos monócitos, leucócitos responsáveis por expulsar corpos estranhos, como vírus e bactérias.

Devido à gripe há um aumento considerável de bactérias no nariz dos indivíduos. Esse fato intensifica a predisposição do paciente em transmitir o pneumococo à outras pessoas.

A infecção da bactéria no nariz leva à rápida ativação dos neutrófilos e ao recrutamento dos monócitos, promovendo a limpeza por lise das vesículas do pneumococo. Essas vesículas rompidas levam o pneumococo até pulmão.

Saiba mais em https://www.nature.com/articles/s41590-018-0231-y.

Molecula que trata a insuficiência cardíaca

 Segundo André Julião / Agência FAPESP, um grupo de pesquisadores do Brasil e dos Estados Unidos desenvolveu uma molécula que freia o avanço da insuficiência cardíaca e ainda melhora a capacidade do coração em bombear sangue.

“As drogas atuais freiam a progressão da doença, mas nunca fazem com que ela regrida. O que mostramos é que, ao regular essa interação específica, diminui-se a progressão e ainda traz a doença para um estágio mais leve”.

As doenças cardiovasculares matam anualmente 17,9 milhões de pessoas, 31% de todas as mortes no mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde.

Globalmente, o infarto do miocárdio e a insuficiência cardíaca decorrente dele ainda são grandes fatores de morbidade e mortalidade. Para saber mais acesse: https://www.nature.com/articles/s41467-018-08276-6.

Imagem destacada: mentalpygmy/category/science-and-health