Uma das praias mais badaladas do Brasil e uma das festas de musica eletrônica mais divulgadas e frequentadas pela juventude de classe média tornam-se atrativo para o consumo desse tipo de droga que pode ser em alguns casos letal. É comum que se aluguem casas para as chamadas “After Party”, a festa depois da festa. A estratégia é sempre a mesma, nos shows os “promotores” de “After Party” distribuem pulseirinhas que permitem acesso a essas casas onde álcool e musica eletrônica se misturam livremente ao “MICHAEL DOUGLAS”. Os adolescentes são atraídos no meio dos shows e convidados para terminarem a noitada em casas requintadas onde muitas vezes tudo é de graça. O password, ou código, já é bastante conhecido: Michel Douglas,abreviação do princípio ativo da droga feita em laboratório que é o MDMA (metilenodioximetanfetamina).

Com a palavra as autoridades públicas, os empresários, os donos de imóveis, as imobiliárias e principalmente as famílias. Não basta edificar templos as virtudes é preciso, e urgente, construir masmorras aos vícios. Quem sabe o que está acontecendo e nada faz é tão culpado quanto quem estimula, permite e pratica.

Leia a seguinte matéria publicada Veja 3 jul 2017, 18h21 –

Advertisement

Saúde
‘Champanhe rosa’: a nova droga usada entre os jovens
No último fim de semana, no Reino Unido, a droga matou uma pessoa e deixou outras dez em estado grave

No último fim de semana, em Manchester, na Inglaterra, uma pessoa morreu e outras dez ficaram em estado grave devido ao uso de um novo tipo de ecstasy, que tem tomado conta das noites na Europa. De acordo com informações da BBC Brasil, o “champanhe rosa“, diferente do formato popular em comprimidos coloridos, é vendido em forma de cristais, o que pode tornar difícil medir a quantidade consumida, com risco maior de overdose.

As autoridades abriram uma investigação sobre o uso da droga. Segundo a Polícia de Manchester, a nova versão é “particularmente mais forte”, com efeitos mais potentes que a original, o que também pode ter influenciado sua popularidade repentina.

O princípio ativo da droga feita em laboratório é o MDMA (metilenodioximetanfetamina), popularmente conhecido no Brasil como “MD” ou “Michael Douglas”. De acordo com relatório do Escritório da Organização das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes (UNODC), em 2016, pelo menos 20 milhões de pessoas já consumiram alguma variedade da substância. Além disso, as anfetaminas e o ecstasy alcançaram o segundo lugar em número de usuários no mundo todo, atrás apenas da maconha.

O porte do ecstasy, independente de seu formato, é proibido na maioria dos países, inclusive no Brasil. Na Europa, o Reino Unido e a República Tcheca são os países com as maiores taxas de consumo de MDMA.

Como age o MDMA

A droga age como um desinibidor, liberando substâncias neurotransmissoras responsáveis pelo prazer. O usuário fica em estado de agitação, extroversão e felicidade durante horas. Porém, depois desse pico de euforia, surgem efeitos negativos mais fortes, como alucinações, exaustão física e mental, sensação de vazio e lentidão de raciocínio.

“Quando o MDMA é absorvido pela corrente sanguínea, ele atinge o cérebro, causando a liberação de diversos compostos químicos. O cérebro libera principalmente serotonina, mas também noradrenalina e dopamina. Isso é o que dá a sensação de prazer”, disse Adam Winstock, psiquiatra fundador da organização Global Drug Survey, que realiza pesquisas sobre o uso de drogas pelo mundo, à BBC.

Riscos

No entanto, os efeitos podem ser adversos e muitas pessoas não conseguem superá-los sozinhas, precisando de assistência médica. Em excesso, o uso pode acarretar em desidratação, músculos rígidos, respiração acelerada, inconsciência, espasmos, convulsões e até mesmo a morte. “Se você toma ecstasy demais, estes mesmos componentes químicos liberados pelo cérebro podem fazer com que seu coração comece a bater rápido demais e acabar com a euforia e a energia. Você começa a se sentir ansioso, nervoso e agitado.”, disse Winstock

Mortes

Segundo o especialista, o número de mortes tem aumentado no Reino Unido e elas podem acontecer de três formas: ataque cardíaco, superaquecimento e excesso de água, o que causa desequilíbrio no metabolismo. Quando o corpo fica com altos níveis de serotonina, dopamina e noradrelina – ativados com o uso da substância – ele pode sofrer desidratação e superaquecimento. Porém, devido ao aumento da sede e da Síndrome da Secreção Inapropriada do Hormônio Antidiurético (SIADH), inibindo a liberação de urina, os usuários podem beber água demais e não conseguir eliminá-la.

Segundo informações da BBC, no Reino Unido, 57 pessoas morreram depois de tomar ecstasy em 2015. “O risco, em geral, é pequeno e até mesmo as pessoas que vão para a emergência hospitalar costumam voltar ao normal em dois ou três dias”, explicou Winstock. “Mas a única maneira de não correr nenhum risco é optar por não usar a droga.”

Imagem Veja

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here